A Jordan depois de 1945

1946

Em 1946 a empresa fez um importante reinvestimento em maquinaria nova, e a disponibilidade de matérias-primas destinadas à produção começou a melhorar progressivamente. As vendas também começaram a aumentar, uma vez que os clientes faziam fila para comprar escovas e vassouras.

No início da década de 1950, a empresa contava com dois representantes de vendas, que cobriam a totalidade do território da Noruega, além de contar com distribuidores exclusivos em todas as principais cidades. Foi nesta época que o nylon substituiu as cerdas de pelo de porco que, até essa altura, tinham sido utilizadas nas escovas de dentes.

1954

A escova de dentes “Pronto” e o lema “A Jordan sabe como fazer"

Em 1954 a Jordan deu início à comercialização das suas escovas de dentes na Noruega, as quais tinham o nome de "Pronto". No ano seguinte, foi introduzido o conhecido lema “A Jordan sabe como fazer". Desde essa altura que este lema tem sido a imagem de marca da Jordan e a expressão entrou para a língua norueguesa como uma frase feita reconhecida universalmente.

1955-1957

Em 1955 foi lançada a primeira escova de dentes com um cabo de plástico e cerdas de nylon.

No final da década de 1950 a Jordan começou um período de concorrência do estrangeiro que se tornou cada vez mais forte e intensificou as suas atividades de vendas. Em resultado disso, deu-se início a uma iniciativa cujo objetivo era criar uma forte organização de vendas na Noruega. Nessa altura, a Jordan dispunha de 32 modelos diferentes de escovas de dentes. Essas escovas de dentes eram embaladas em caixas de cartão e guardadas fora da vista em gavetas localizadas atrás dos balcões das lojas. Foi então decidido que a Jordan se iria concentrar em apenas uma destas escovas de dentes e que a mesma devia ser comercializada e apresentada nas prateleiras das novas lojas de autosserviço. A produção e a comercialização de outros modelos de escovas de dentes foi interrompida. Isto representou uma alteração muito deliberada ao nível da estratégia de marketing. À medida que a Jordan começou a expor os seus produtos num ambiente de loja, começou a ter uma consciência cada vez maior da influência da apresentação no que respeita às decisões de compra dos consumidores. A Jordan foi uma das primeiras empresas da Noruega a orientar as suas atividades para a comercialização, com toda a ponderação que lhe é característica. Até 1957, a Jordan ainda estava centrada sobretudo no mercado interno norueguês. Nessa altura, quando se começou a debater a criação de um Mercado Comum europeu, que implicaria um maior número de importações de produtos para a Noruega, tornou-se necessário explorar novas opções estratégicas. Em resultado disso, foi decidido que a empresa começaria a exportar um maior número de produtos. A Jordan também começou a desenvolver, a fabricar e a comercializar escovas para aspiradores e bocais em plástico destinados aos produtos fabricados pelos principais fabricantes de aspiradores da Europa. Dado que este último sector era extremamente competitivo e que estava sujeito a pressões cada vez maiores ao nível dos preços, tornou-se uma prioridade intensificar ainda mais a venda de produtos das gamas próprias da Jordan.

1960

O início das exportações de escovas de dentes

As escovas de dentes tinham a grande vantagem de serem um dos poucos produtos que podiam ser comercializados em quase todos os países sem necessidade de alterar o design, portanto a Jordan fez as suas primeiras vendas de sucesso no estrangeiro fornecendo escovas de dentes ao Reino Unido, à Dinamarca, à Suécia e à Finlândia. Um expositor de escovas de dentes versátil, com prateleiras redondas e espaço para 12 escovas de dentes em cada prateleira foi desenvolvido e lançado com grande sucesso em toda a Europa Ocidental na década de 1960, antes de ser lançado posteriormente a nível mundial. Em 1964 as vendas totais de escovas de dentes da Jordan tinham alcançado quase oito milhões de unidades e as vendas e as exportações tiveram um aumento de 40 por cento em relação ao ano anterior, pelo que foi decidido que a “Jordan” seria lançada enquanto marca registada internacional. Em 1967, dez anos depois de a Jordan ter dado início aos seus esforços de exportação, 35 por cento do total da produção era exportado e as escovas de dentes da Jordan eram agora líderes de mercado em cinco países, além da Noruega: na Suécia, na Dinamarca, na Finlândia, nos Países Baixos e na Suíça.

1960

A Jordan conta com um campeão olímpico

Em 1960, um funcionário da Jordan, Roald Aas, ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, na modalidade de 1 500 metros de patinagem de velocidade, em Squaw Valley, nos Estados Unidos da América.

1966

O início da produção de palitos para os dentes

Em meados da década de 1960, a saúde oral começou a ser uma questão de grande interesse público. Nessa altura, a Jordan estabeleceu ligações com um técnico de higiene dentária do Departamento de Medicina Dentária, ao mesmo tempo que, pela primeira vez, o departamento de produção contratou um designer. O objetivo destes investimentos inovadores era garantir que a Jordan mantinha uma liderança consistente relativamente à concorrência, ao nível do desenvolvimento, uma tarefa que era considerada como sendo a prioridade absoluta. Em 1966, a Jordan decidiu trabalhar plenamente na produção de palitos para os dentes. Foi um dos mais importantes periodontistas da Noruega, o Professor Jens Wærhaug, quem sugeriu que a Jordan deveria desenvolver e produzir palitos para os dentes. O objetivo consistia em criar um meio de limpeza dos espaços interdentais que fosse simultaneamente mais eficaz e mais fácil de utilizar do que o fio dental. Embora muitas pessoas se mostrassem céticas, a Jordan optou por seguir o conselho do periodontista e, mais tarde, veio a provar-se que o produto era viável. No entanto, um novo produto exigia novos métodos de produção. A fresagem manual das placas era um processo demorado e dispendioso, pelo que a empresa decidiu construir uma máquina totalmente automatizada com capacidade para produzir 40 000 palitos para os dentes por chapa. Nesta altura, foi igualmente introduzido outro produto desenvolvido especialmente e que, ao longo dos anos, provou ter um crescimento estável: o palito para os dentes em embalagem individual. De um início modesto na década de 1980, a procura deste produto tem aumentado ao longo dos anos e podemos agora encontrá-lo na maior parte dos voos e dos restaurantes em toda a Europa.

1967

A construção de uma nova e moderna serração em Flisa

Com a entrada no mercado dos palitos para os dentes, a Jordan apercebeu-se de que precisava de mudar as instalações da sua loja de madeiras, que na altura se situava em Oslo, para uma localização mais próxima do local onde as matérias-primas eram produzidas. Esta mudança iria resultar em poupanças substanciais ao nível dos custos de transporte, numa redução do inventário e na disponibilização de ativos valiosos. O município de Åsnes, localizado em Solør, foi escolhido como sendo o local ideal. Situava-se na proximidade dos locais de abastecimento de madeira e as instalações tinham uma dimensão de 38 hectares, com a opção de a empresa adquirir mais 30 hectares. A proposta da Jordan foi aceite e deu-se início ao planeamento da construção de uma nova e moderna serração em Flisa. No outono de 1967, foi realizada a cerimónia de inauguração da fábrica e, em finais de 1968-1969, depois de um breve período de testes e da colocação em funcionamentos das máquinas, deu-se início à produção regular nas instalações e a divisão de madeiras concluiu a sua mudança de Oslo para Flisa. Ao longo dos anos seguintes ouve outras capacidades de produção que foram transferidas de Oslo para Flisa, e em finais de 1972 a fábrica contava com 60 funcionários.

1970

A Jordan ganha um o prémio de exportação

Em 1970, a Jordan recebeu o prémio para exportações, atribuído pelo Conselho do Comércio norueguês e patrocinado pela SAS. O prémio foi atribuído como reconhecimento dos esforços pioneiros da empresa ao nível do marketing de exportação. Mais tarde, nesse mesmo ano, o fio dental foi introduzido na gama de produtos de higiene oral, tendo o colutório sido introduzido no mercado norueguês. A par das escovas de dentes, do fio dental e dos palitos para os dentes, a introdução do colutório resultou numa oferta abrangente de produtos de cuidado oral por parte da Jordan.

1971

Em 1971, a Jordan assumiu a distribuição de lenços de papel da marca Kleenex e de brilhantina da marca Brylcreem no mercado norueguês. Este acordo de distribuição foi rescindido em finais da década de 1970.

1973

A apresentação de Jonatann

Em Janeiro de 1973 a Jordan procedeu à apresentação de uma nova celebridade junto da população da Noruega. Jonatann tornou-se extremamente popular, tanto junto das crianças como dos adultos, focando-se na tarefa de ajudar as pessoas a cuidar melhor dos seus dentes e gengivas. Jonatann manteve excelentes taxas de consciencialização junto das crianças norueguesas durante vários anos, e a dada altura 72 por cento das crianças norueguesas com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos reconheciam Jonatann e tinham consciência do que ele representava. O Clube do Jonatann, criado alguns anos mais tarde, teve quase 7 000 membros no seu auge. Um ano depois da apresentação de Jonatann, a escova de dentes T4, a "nova escova de dentes de cabo comprido da Jordan" foi lançada no mercado escandinavo e em Espanha. A T4 veio substituir um modelo de escova de dentes que tinha sido um sucesso desde 1960. A nova T4 tinha um cabo mais comprido do que outras escovas de dentes disponíveis no mercado. Isto significava que era mais fácil limpar os dentes molares, que têm maiores probabilidades de desenvolver cáries. Na qualidade de segundo maior fabricante de escovas de dentes a nível mundial, a Jordan tinha a enorme responsabilidade de melhorar a saúde dentária, tendo continuado a investir em investigação e desenvolvimento. Para além de trabalhar no sentido de melhorar as suas capacidades de marketing, de produção e técnicas, a Jordan também contratou um dentista com formação especializada em periodontia para exercer as funções de consultor dentário.

1975

A mudança de nome

Até 1975, a empresa funcionou com o nome de A/S W. Jordan Børste & Penselfabrik. No entanto, com o grande crescimento a nível internacional, este nome era pouco prático e foi decidido mudá-lo para simplesmente Jordan AS.

1986

A Jordan ganha a distinção de Empresa do Ano

Em 1986, a revista de notícias televisivas Business e o Aftenposten, o maior jornal da Noruega, escolheram a Jordan como Empresa do Ano, tendo referido, entre outras coisas, a capacidade da empresa de conquistar a liderança do mercado, não só a nível nacional como num contexto internacional, na sequência de um forte crescimento no ano anterior. Além disso, a Jordan tinha-se distinguido como uma promotora distrital judiciosa através do seu investimento de sucesso em Flisa, onde a empresa deu grande ênfase ao desenvolvimento tecnológico, conseguindo desse modo alcançar valiosos ganhos ao nível da eficiência.

1987

Aquisição da empresa escocesa Peri-dent

Em 1987 a Jordan adquiriu e, mais tarde, assumiu o controlo, da empresa Peri-dent, um fabricante de fio dental líder de mercado, tendo também adquirido as suas instalações de produção, localizadas na Escócia. Enquanto fornecedor, a Peri-dent tinha capacidade para fornecer produtos de elevada qualidade de forma consistente, um fator importante para a Jordan dado que, por vezes, a qualidade dos produtos dos fornecedores podia variar grandemente.

1989

Aquisição da empresa sueca Anza AB

Em 1973 a Jordan tinha celebrado um acordo de cooperação com o fabricante de pincéis Bankeryd Penselfabrik, uma empresa sueca. Em 1979, a Jordan adquiriu uma participação maioritária do fabricante sueco, que tinha mudado de nome para Anza, tendo finalmente, em 1989, adquirido o resto da empresa e tornando a mesma parte do Grupo Jordan. Tratou-se de uma decisão lógica para a Jordan, cujo envolvimento na produção de pincéis datava de finais da década de 1800, nas instalações de Skippergaten. A produção de pincéis tinha evoluído ao longo dos anos, transformando-se numa indústria sofisticada, e sempre tinha constituído um contributo importante para o crescimento empresarial, pelo que esta aquisição consolidou a posição da Jordan neste sector.

1998

As fábricas de escovas de dentes Sanodent e Wisdom

Tendo em conta que a Jordan não estava sedeada na União Europeia, tornou-se necessário para a empresa dar início à produção de escovas de dentes no território da UE. Em 1985 a Jordan tomou a decisão de dar início à construção de uma nova fábrica em Kerkrade, nos Países Baixos. A fábrica ficou pronta dois anos mais tarde, tendo-lhe sido dado o nome de Sanodent bv. Nestas instalações, a produção consistia sobretudo no fabrico de escovas de dentes de marca própria. Em 1998, a Jordan vendeu a fábrica da Sanodent e adquiriu o fabricante de escovas de dentes britânico Wisdom Toothbrush Ltd.

1946

Em 1946 a empresa fez um importante reinvestimento em maquinaria nova, e a disponibilidade de matérias-primas destinadas à produção começou a melhorar progressivamente. As vendas também começaram a aumentar, uma vez que os clientes faziam fila para comprar escovas e vassouras.

No início da década de 1950, a empresa contava com dois representantes de vendas, que cobriam a totalidade do território da Noruega, além de contar com distribuidores exclusivos em todas as principais cidades. Foi nesta época que o nylon substituiu as cerdas de pelo de porco que, até essa altura, tinham sido utilizadas nas escovas de dentes.

1954

A escova de dentes “Pronto” e o lema “A Jordan sabe como fazer"

Em 1954 a Jordan deu início à comercialização das suas escovas de dentes na Noruega, as quais tinham o nome de "Pronto". No ano seguinte, foi introduzido o conhecido lema “A Jordan sabe como fazer". Desde essa altura que este lema tem sido a imagem de marca da Jordan e a expressão entrou para a língua norueguesa como uma frase feita reconhecida universalmente.

1955-1957

Em 1955 foi lançada a primeira escova de dentes com um cabo de plástico e cerdas de nylon.

No final da década de 1950 a Jordan começou um período de concorrência do estrangeiro que se tornou cada vez mais forte e intensificou as suas atividades de vendas. Em resultado disso, deu-se início a uma iniciativa cujo objetivo era criar uma forte organização de vendas na Noruega. Nessa altura, a Jordan dispunha de 32 modelos diferentes de escovas de dentes. Essas escovas de dentes eram embaladas em caixas de cartão e guardadas fora da vista em gavetas localizadas atrás dos balcões das lojas. Foi então decidido que a Jordan se iria concentrar em apenas uma destas escovas de dentes e que a mesma devia ser comercializada e apresentada nas prateleiras das novas lojas de autosserviço. A produção e a comercialização de outros modelos de escovas de dentes foi interrompida. Isto representou uma alteração muito deliberada ao nível da estratégia de marketing. À medida que a Jordan começou a expor os seus produtos num ambiente de loja, começou a ter uma consciência cada vez maior da influência da apresentação no que respeita às decisões de compra dos consumidores. A Jordan foi uma das primeiras empresas da Noruega a orientar as suas atividades para a comercialização, com toda a ponderação que lhe é característica. Até 1957, a Jordan ainda estava centrada sobretudo no mercado interno norueguês. Nessa altura, quando se começou a debater a criação de um Mercado Comum europeu, que implicaria um maior número de importações de produtos para a Noruega, tornou-se necessário explorar novas opções estratégicas. Em resultado disso, foi decidido que a empresa começaria a exportar um maior número de produtos. A Jordan também começou a desenvolver, a fabricar e a comercializar escovas para aspiradores e bocais em plástico destinados aos produtos fabricados pelos principais fabricantes de aspiradores da Europa. Dado que este último sector era extremamente competitivo e que estava sujeito a pressões cada vez maiores ao nível dos preços, tornou-se uma prioridade intensificar ainda mais a venda de produtos das gamas próprias da Jordan.

1960

O início das exportações de escovas de dentes

As escovas de dentes tinham a grande vantagem de serem um dos poucos produtos que podiam ser comercializados em quase todos os países sem necessidade de alterar o design, portanto a Jordan fez as suas primeiras vendas de sucesso no estrangeiro fornecendo escovas de dentes ao Reino Unido, à Dinamarca, à Suécia e à Finlândia. Um expositor de escovas de dentes versátil, com prateleiras redondas e espaço para 12 escovas de dentes em cada prateleira foi desenvolvido e lançado com grande sucesso em toda a Europa Ocidental na década de 1960, antes de ser lançado posteriormente a nível mundial. Em 1964 as vendas totais de escovas de dentes da Jordan tinham alcançado quase oito milhões de unidades e as vendas e as exportações tiveram um aumento de 40 por cento em relação ao ano anterior, pelo que foi decidido que a “Jordan” seria lançada enquanto marca registada internacional. Em 1967, dez anos depois de a Jordan ter dado início aos seus esforços de exportação, 35 por cento do total da produção era exportado e as escovas de dentes da Jordan eram agora líderes de mercado em cinco países, além da Noruega: na Suécia, na Dinamarca, na Finlândia, nos Países Baixos e na Suíça.

1960

A Jordan conta com um campeão olímpico

Em 1960, um funcionário da Jordan, Roald Aas, ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, na modalidade de 1 500 metros de patinagem de velocidade, em Squaw Valley, nos Estados Unidos da América.

1966

O início da produção de palitos para os dentes

Em meados da década de 1960, a saúde oral começou a ser uma questão de grande interesse público. Nessa altura, a Jordan estabeleceu ligações com um técnico de higiene dentária do Departamento de Medicina Dentária, ao mesmo tempo que, pela primeira vez, o departamento de produção contratou um designer. O objetivo destes investimentos inovadores era garantir que a Jordan mantinha uma liderança consistente relativamente à concorrência, ao nível do desenvolvimento, uma tarefa que era considerada como sendo a prioridade absoluta. Em 1966, a Jordan decidiu trabalhar plenamente na produção de palitos para os dentes. Foi um dos mais importantes periodontistas da Noruega, o Professor Jens Wærhaug, quem sugeriu que a Jordan deveria desenvolver e produzir palitos para os dentes. O objetivo consistia em criar um meio de limpeza dos espaços interdentais que fosse simultaneamente mais eficaz e mais fácil de utilizar do que o fio dental. Embora muitas pessoas se mostrassem céticas, a Jordan optou por seguir o conselho do periodontista e, mais tarde, veio a provar-se que o produto era viável. No entanto, um novo produto exigia novos métodos de produção. A fresagem manual das placas era um processo demorado e dispendioso, pelo que a empresa decidiu construir uma máquina totalmente automatizada com capacidade para produzir 40 000 palitos para os dentes por chapa. Nesta altura, foi igualmente introduzido outro produto desenvolvido especialmente e que, ao longo dos anos, provou ter um crescimento estável: o palito para os dentes em embalagem individual. De um início modesto na década de 1980, a procura deste produto tem aumentado ao longo dos anos e podemos agora encontrá-lo na maior parte dos voos e dos restaurantes em toda a Europa.

1967

A construção de uma nova e moderna serração em Flisa

Com a entrada no mercado dos palitos para os dentes, a Jordan apercebeu-se de que precisava de mudar as instalações da sua loja de madeiras, que na altura se situava em Oslo, para uma localização mais próxima do local onde as matérias-primas eram produzidas. Esta mudança iria resultar em poupanças substanciais ao nível dos custos de transporte, numa redução do inventário e na disponibilização de ativos valiosos. O município de Åsnes, localizado em Solør, foi escolhido como sendo o local ideal. Situava-se na proximidade dos locais de abastecimento de madeira e as instalações tinham uma dimensão de 38 hectares, com a opção de a empresa adquirir mais 30 hectares. A proposta da Jordan foi aceite e deu-se início ao planeamento da construção de uma nova e moderna serração em Flisa. No outono de 1967, foi realizada a cerimónia de inauguração da fábrica e, em finais de 1968-1969, depois de um breve período de testes e da colocação em funcionamentos das máquinas, deu-se início à produção regular nas instalações e a divisão de madeiras concluiu a sua mudança de Oslo para Flisa. Ao longo dos anos seguintes ouve outras capacidades de produção que foram transferidas de Oslo para Flisa, e em finais de 1972 a fábrica contava com 60 funcionários.

1970

A Jordan ganha um o prémio de exportação

Em 1970, a Jordan recebeu o prémio para exportações, atribuído pelo Conselho do Comércio norueguês e patrocinado pela SAS. O prémio foi atribuído como reconhecimento dos esforços pioneiros da empresa ao nível do marketing de exportação. Mais tarde, nesse mesmo ano, o fio dental foi introduzido na gama de produtos de higiene oral, tendo o colutório sido introduzido no mercado norueguês. A par das escovas de dentes, do fio dental e dos palitos para os dentes, a introdução do colutório resultou numa oferta abrangente de produtos de cuidado oral por parte da Jordan.

1971

Em 1971, a Jordan assumiu a distribuição de lenços de papel da marca Kleenex e de brilhantina da marca Brylcreem no mercado norueguês. Este acordo de distribuição foi rescindido em finais da década de 1970.

1973

A apresentação de Jonatann

Em Janeiro de 1973 a Jordan procedeu à apresentação de uma nova celebridade junto da população da Noruega. Jonatann tornou-se extremamente popular, tanto junto das crianças como dos adultos, focando-se na tarefa de ajudar as pessoas a cuidar melhor dos seus dentes e gengivas. Jonatann manteve excelentes taxas de consciencialização junto das crianças norueguesas durante vários anos, e a dada altura 72 por cento das crianças norueguesas com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos reconheciam Jonatann e tinham consciência do que ele representava. O Clube do Jonatann, criado alguns anos mais tarde, teve quase 7 000 membros no seu auge. Um ano depois da apresentação de Jonatann, a escova de dentes T4, a "nova escova de dentes de cabo comprido da Jordan" foi lançada no mercado escandinavo e em Espanha. A T4 veio substituir um modelo de escova de dentes que tinha sido um sucesso desde 1960. A nova T4 tinha um cabo mais comprido do que outras escovas de dentes disponíveis no mercado. Isto significava que era mais fácil limpar os dentes molares, que têm maiores probabilidades de desenvolver cáries. Na qualidade de segundo maior fabricante de escovas de dentes a nível mundial, a Jordan tinha a enorme responsabilidade de melhorar a saúde dentária, tendo continuado a investir em investigação e desenvolvimento. Para além de trabalhar no sentido de melhorar as suas capacidades de marketing, de produção e técnicas, a Jordan também contratou um dentista com formação especializada em periodontia para exercer as funções de consultor dentário.

1975

A mudança de nome

Até 1975, a empresa funcionou com o nome de A/S W. Jordan Børste & Penselfabrik. No entanto, com o grande crescimento a nível internacional, este nome era pouco prático e foi decidido mudá-lo para simplesmente Jordan AS.

1986

A Jordan ganha a distinção de Empresa do Ano

Em 1986, a revista de notícias televisivas Business e o Aftenposten, o maior jornal da Noruega, escolheram a Jordan como Empresa do Ano, tendo referido, entre outras coisas, a capacidade da empresa de conquistar a liderança do mercado, não só a nível nacional como num contexto internacional, na sequência de um forte crescimento no ano anterior. Além disso, a Jordan tinha-se distinguido como uma promotora distrital judiciosa através do seu investimento de sucesso em Flisa, onde a empresa deu grande ênfase ao desenvolvimento tecnológico, conseguindo desse modo alcançar valiosos ganhos ao nível da eficiência.

1987

Aquisição da empresa escocesa Peri-dent

Em 1987 a Jordan adquiriu e, mais tarde, assumiu o controlo, da empresa Peri-dent, um fabricante de fio dental líder de mercado, tendo também adquirido as suas instalações de produção, localizadas na Escócia. Enquanto fornecedor, a Peri-dent tinha capacidade para fornecer produtos de elevada qualidade de forma consistente, um fator importante para a Jordan dado que, por vezes, a qualidade dos produtos dos fornecedores podia variar grandemente.

1989

Aquisição da empresa sueca Anza AB

Em 1973 a Jordan tinha celebrado um acordo de cooperação com o fabricante de pincéis Bankeryd Penselfabrik, uma empresa sueca. Em 1979, a Jordan adquiriu uma participação maioritária do fabricante sueco, que tinha mudado de nome para Anza, tendo finalmente, em 1989, adquirido o resto da empresa e tornando a mesma parte do Grupo Jordan. Tratou-se de uma decisão lógica para a Jordan, cujo envolvimento na produção de pincéis datava de finais da década de 1800, nas instalações de Skippergaten. A produção de pincéis tinha evoluído ao longo dos anos, transformando-se numa indústria sofisticada, e sempre tinha constituído um contributo importante para o crescimento empresarial, pelo que esta aquisição consolidou a posição da Jordan neste sector.

1998

As fábricas de escovas de dentes Sanodent e Wisdom

Tendo em conta que a Jordan não estava sedeada na União Europeia, tornou-se necessário para a empresa dar início à produção de escovas de dentes no território da UE. Em 1985 a Jordan tomou a decisão de dar início à construção de uma nova fábrica em Kerkrade, nos Países Baixos. A fábrica ficou pronta dois anos mais tarde, tendo-lhe sido dado o nome de Sanodent bv. Nestas instalações, a produção consistia sobretudo no fabrico de escovas de dentes de marca própria. Em 1998, a Jordan vendeu a fábrica da Sanodent e adquiriu o fabricante de escovas de dentes britânico Wisdom Toothbrush Ltd.